Feeds:
Posts
Comentários

A fúria de um assinante.

 

Olha, se já não bastasse o alto valor que pagamos pela tv a cabo de baixa definição, ainda colocam propagandas nos canais. Mas, peraí, a graça da TV a cabo não seria o acesso a canais PAGOS, onde não haveria publicidade? Ok, existe o argumento de que os preços das assinaturas são subsidiados pelos anúncios (eu estou esperando meu subsídio sentado), mas daí, quando os canais NÂO TÊM que passar propaganda, a operadora de tv a cabo NET (coisa de gaúcho…) inventa de colocar campanhas auto-elogiosas no ar. Puta que o pariu! Continuar Lendo »

Amigo leitor e amiga leitora, se você trabalha, já percebeu que o Brasil está em plena onda do politicamente correto, onda esta que já varreu o continente setentrional lá pelos idos dos anos 1990.  Tal qual a “novilíngua” utilizada pelos partidários do Big Brother, no ótimo livro 1984, de George Orwell, no qual o departamento de repressão e tortura era o “Ministério do Amor”, os eufemismos são usados em lugar das palavras que realmente queremos usar, e de tal forma são marretados que acabamos por esquecer o significado real das palavras. Continuar Lendo »

O site Curriculum.com.br, segundo noticiado pelo Oglobo.com, realizou uma pesquisa que defenestra o desempenho de estagiários e Trainees.  Segundo a pesquisa, 39,7% das empresas que costumam contratar estagiários reclamam que falta “responsabilidade” e 38,2% reclamam de falta de “comprometimento com resultados” entre os pimpolhos.

Ora, isso é absolutamente ÓBVIO! Desde que a lei 9.504/97 foi aprovada, que a função de estagiário começou a mudar de perfil. Antes, empregadores tinham que se preocupar com abusos, de forma a não gerar processos trabalhistas. Como a referida lei declara expressamente não haver vínculo empregatício com o estagiário, e que esse pode ser demitido sem direito algum, sem 30 dias, e sem maior burocracia do que assinar um único documento em 3 vias, o estagiário virou “escraviário”. Laranja a ser chupada e jogada fora no bagaço.

Some-se a isso o fato de que a imensa maioria das empresas, 90% – segundo o Sebrae, são familiares; e que nessas, os critérios de promoção e efetivação tem mais a ver com laços de sangue e amizade do que de competência, que fica claro para o estagiário minimamente inteligente que ele só está sendo usado para fazer o trabalho que a filhinha do chefe não quer fazer (tirar cópias, tirar notas fiscais, levar cafezinho pra cima e pra baixo, etc).  Resultado: os estagiários não se comprometem com os objetivos da empresa, porque desde o início a empresa não se compromete com eles. Ele (ou ela) vai sugar o que puder de conhecimento (e documentos e informações interessantes nos pen-drives da vida) e cair fora quando arranjar coisa melhor.

Está na hora da empresa brasileira amadurecer para a necessidade de investir em seus quadros. Dar fidelidade e comprometimento para recebê-los em troca, essa é a chave.

E tenho dito.

P.S.: quando falo em “investir” nos quadros, não falo de contratar consultorias fajutas movidas pelas psicólogas que se metem em administração que levam as “equipes” para fazer rafting e arvorismo. Falo de investir em desenvolvimento de relacionamento interpessoal, fomentar a confiança entre os departamentos, valorizar o mérito e desenvolver lideranças.

Olá, leitores e leitoras. Faz tempo que não posto nada. Estive ocupado no 1° semestre do mestrado em Ciências da Administração. É puxadinho, pessoal. Ainda mais que estou envolvido em projetos de pesquisa.

Bem, hoje tirei um momento para escrever sobre um assunto que surgiu no almoço. A Internet caiu aqui na Federal hoje de manhã (pra variar) e descobrimos que foi por que o NPD (Núcleo de processamento de Dados) está realizando manutenção nos equipamentos. Wow! Esse povo do TI é sem noção, não é? Nem tanto. Tem mais a ver com relações de poder na organização.

Continuar Lendo »

O único movimento estudantil que aprovo é o de folhear livros”.

O Pensador Free-Lance.

Só oferecem trabalho para quem não tem tempo de fazer mais nada”.

O pensador Free Lance.

“Se alguém abrisse uma loja de bom-senso, iria à falência”.

O Pensador Free Lance.